Salada de Cinema

Notícias, entrevistas, perfis e muito mais de tudo que acontece no mundo do cinema.

Salada de Cinema
Críticas

Mãe!

por André Sobreiro comentários

mae

Vou me permitir uma exposição real da primeira coisa que eu pensei assim que acabei de assistir Mãe!: O que? Eu não entendi nada! E é com essa frase que eu quero começar a falar desse filme.

Mãe! é um audacioso – e pretensioso no melhor sentido da palavra – projeto de Darren Aronofsky, que teve a divulgação baseada em poucas imagens e menos ainda informações do que se tratava. E faz todo o sentido esse trabalho quando se assiste ao filme.

A trama – em linhas bem gerais – é a história de um casal, ele poeta, ela sem profissão definida. Enquanto ele tenta lidar com um bloqueio criativo, ela faz as reformas da casa, a colocando de pé. E é em torno desse equilíbrio, que você nota uma fragilidade, que eles vivem. Até a chegada de um médico, que é colocado na casa como hóspede. E o equilíbrio acaba. Fim. Mais que isso é estragar a experiência do que é assistir Mãe!

Praticamente dispensando a trilha sonora, o filme é uma experiência impressionante aos sentidos. Os sons que a vida real faz estão todos ali, e vão causando uma percepção do olhar da personagem e das sensações dela que vão num crescente incômodo. E o mesmo se dá com o visual, na escolha das cores – repare nas cores do filme, em como elas vão evoluindo – da cenografia, de figurino, de tudo.

O elenco é outro ponto que merece destaque. Ed Harris entrega o que se espera dele, assim como Javier Bardem. Mas é no elenco feminino que seus olhos irão se focar. Muito se critica Jennifer Lawrence e sua apatia nos papéis. Críticas justas, na maioria das vezes. Aqui, Aronofsky soube usar da melhor maneira possível isso, mas forçou a atriz a ir além, colocando ela e sua personagem bem fora da zona de conforto habitual. Mas é dela os holofotes: Michelle Pfeiffer. Sua participação como a esposa de Harris é magistral e, a cada fala da personagem, um novo sentimento aflora em quem assiste. Eu disse que era um filme sensorial.

Mas afinal de contas, do que é o filme? Humanidade. Somos confrontados com a nossa humanidade, suas falhas, a relação entre Homem e Deus em cenas recheadas de metáforas e referências bíblicas.

Mais do que contar uma história – e o filme conta! – Mãe! se propõe a ser uma experiência a ser vivida na sala do cinema. Uma experiência por vezes irritante, por vezes incômoda, muitas vezes beirando o hipnótico, mas sem dúvida alguma, uma experiência que você não sai da sala sem amar. Ou odiar. Ao mesmo tempo, de acordo com as suas sensações. Uma obra-prima.

Studio na Colab55
André Sobreiro
André Sobreiro

Jornalista, daqueles que acredita no momento mágico em que as luzes do cinema se apagam e o filme vira a realidade

Veja todos os posts de André Sobreiro
Comentários
Follow my blog with Bloglovin