Salada de Cinema

Notícias, entrevistas, perfis e muito mais de tudo que acontece no mundo do cinema.

Salada de Cinema
Colunas

cine mundo: Eu, (insira seu nome)

por Caio Cesar comentários

Em tempos de Reforma da Previdência, o filme britânico “I, Daniel Blake” é um grande soco na boca de nosso estômago que nos deixa literalmente sem ar em suas cenas finais. Mas o que a Reforma tem a ver com um filme inglês?

Dirigido por Ken Loach, apesar de simples o longa com certeza é uma das produções mais emocionantes que vi nos últimos tempos. “I, Daniel Blake” segue Daniel Blake (Dave John) durante uma parte de sua vida, a velhice. Ele é marceneiro com 59 anos que após sofrer um ataque cardíaco torna-se incapaz de continuar trabalhando. Impossibilitado de continuar a exercer a única atividade que lhe sustentava é obrigado a solicitar benefícios do governo. Aqui no Brasil chamamos isso de aposentadoria por invalidez, ou seja, um benefício concedido apenas para quem sofre alguma incapacidade sem cura e que impossibilite totalmente a realização do trabalho.

Salada de Cinema

Daniel então se depara com uma enorme barreira, a burocracia. A partir daí uma sensível história de luta, dor, sofrimento e empatia se desenrola na frente dos olhos do telespectador. Nosso protagonista tem seus benefícios negados, pois o Estado o enxerga como uma pessoa apta ao trabalho mesmo com a advertência médica de repouso, logo seu sustento está ameaçado.

E é em uma dessas salas de espera em um órgão público que Daniel conhece Katie (Hayley Squires) mãe solteira de duas crianças que acaba de se mudar Newcastle e também procura ajuda do governo. Sensibilizado com a situação precária da jovem, Daniel a ajuda a reformar seu novo apartamento, um começo de uma bela amizade.

Salada de Cinema

Como bem pontuou Matheus Pichonelli em sua crítica sobre o filme na Carta Capital, Loach conseguiu de forma estupenda registrar a desumanização das relações. Ainda acrescento, o cineasta traz à tela uma crítica ao processo de gentrificação que acontece em grandes cidades como Londres ou mesmo São Paulo.

A cada frame estamos mais e mais envolvidos pelas dores de nossos personagens principais. Um senhor que vê seu sustento ameaçado, pois não consegue se aposentar. Uma mãe faminta que para comprar um novo calçado para a filha precisa conseguir dinheiro por através de métodos obscuros. Jovens que para sobreviver vendem produtos contrabandeados abaixo do preço de mercado. Nos envolvemos, não apenas porque são vidas semelhantes à de muitos brasileiros, mas porque são vidas negligenciadas.

“I, Daniel Blake” foi vencedor da Palma de Ouro – a segunda do diretor Ken Loach – por um filme que revela a ineficiência e a burocracia do governo inglês.

Studio na Colab55
Caio Cesar
Caio Cesar

"Filme grego de novo, Caio?" Sim, eu sou desses mesmo. Um curioso definitivo pelo cinema. Se não for grego, vai ser tcheco, japonês, italiano ou francês, e se reclamar, vai ser iraniano! Pra mim, cinema é espelho, retrato e sequela.

Veja todos os posts de Caio Cesar
Comentários
Follow my blog with Bloglovin