Salada de Cinema

Notícias, entrevistas, perfis e muito mais de tudo que acontece no mundo do cinema.

Salada de Cinema
Críticas

Eu, Daniel Blake (2016)

por Pedro C. Pardim comentários
Salada de Cinema

Diante de um cenário de crise, o cinema surge como forma não só de denúncia, mas também como instrumento de representatividade para aqueles que, numa discussão de reestruturação econômica, são muitas vezes deixados de lado. O cinema europeu, perante uma grave crise neoliberal e um quadro de austeridade econômica e alto nível de desemprego, encontra na singularidade e nas lutas pessoais a melhor forma de expor situações, ainda que íntimas, absolutamente universais.

O britânico “Eu, Daniel Blake”, dirigido por Ken Loach e vencedor da Palma de Ouro no último Festival de Cannes, faz parte desse momento do cinema europeu. No filme, o protagonista-título é um carpinteiro viúvo que, após sofrer um ataque-cardíaco, busca o auxílio-doença do governo Inglês, porém esbarra numa burocracia insuportável, o que torna a sua jornada uma verdadeira odisseia de um homem comum.

Na busca pelos seus direitos Daniel cruza caminho com a jovem Katie, mãe solteira de dois filhos, que também sofre com o desemprego e a pobreza. Os dois se aproximam, principalmente graças à humanidade do protagonista, que não mede esforços para ajudar a família.

A direção de Loach é extremamente honesta. Por mais dramática que seja a trama, o filme não é apelativo em nenhum momento. Da fotografia, apenas observadora, à trilha sonora, ou melhor, a falta dela (não há som não-diegético), o diretor denota um estilo naturalista muito eficaz. Mesmo nas cenas focadas na Katie, as mais carregadas emocionalmente, não há nada artificial que fuja das características da produção.

Vale destacar o carisma do protagonista, vivido por Dave Johns, cuja bondade apresentada para com os outros torna ainda mais desesperador vê-lo esbarrar constantemente no antagonista do filme: o Estado que cria a ilusão de que, se você é pobre, a culpa é sua– como disse o próprio diretor em entrevista recente ao El País.

A impotência dos personagens de “Eu, Daniel Blake” é palpável, assim como a solidariedade entre aqueles que à reconhecem. Transbordando humanidade, Ken Loach questiona exatamente a falta dela naqueles que deveriam ter.

Assista ao trailer de ‘Eu, Daniel Blake’:

Studio na Colab55
Pedro C. Pardim
Pedro C. Pardim

Graças aos meus pais estou em contato com a cultura e artes em geral desde muito cedo, mas a minha paixão é pelo cinema. Sempre foi. Não só paixão, escolhi (e espero) ter o cinema como minha profissão.

Veja todos os posts de Pedro C. Pardim
Comentários
Leia Também
Follow my blog with Bloglovin