Salada de Cinema

Notícias, entrevistas, perfis e muito mais de tudo que acontece no mundo do cinema.

Salada de Cinema
Colunas

cine nerd: Batman no Cinema, parte 1

por Igor Appolinario comentários

Batman keaton

“Where does he get those wonderful toys?”  – The Joker, Batman (1989)

Olá Nerds,

Vamos falar do assunto do momento: Batman!

Mas calma que antes de chegar ao explosivo O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), a história do Batman no cinema começou láááááá atrás.

Com dois filmes bem antigos, em 1943 como um “movie serial”, comum a época, episódico e exibido nos cinemas e em 1966 como uma edição especial do famoso seriado protagonizado por Adam West e Burt Ward, Batman sempre foi uma figura popular no cinema. Com a aquisição da DC Comics, detentora dos direitos do personagem, pela Warner Bros., o estúdio lançou o primeiro filme “sério” do personagem.

Batman (1989) e Batman – O Retorno (1992) foram dirigidos pelo excêntrico (e amado pelos nerds – eu incluso) Tim Burton e trouxe todo o ambiente sombrio dos quadrinhos para as telas.

Michael Keaton foi o escolhido para ser o Batman nos dois filmes, o que criou um protesto dos fãs (e até do criador do personagem, Bob Kane) que enviaram mais de 50.000 cartas de protesto a Warner. Robin Williams chegou a ser considerado para o papel do Coringa (chegou até a ser considerado para o papel de Charada, mais tarde), mas foi substituído por Jack Nicholson, que conseguiu um acordo milionário pelo papel.

Para testar a reação do público quanto a nova investida do Cruzado de Capa nos cinemas, o estúdio lançou de surpresa um trailer de 1 minuto e meio em um cinema da Califórnia. O mesmo foi aplaudido de pé e passou a ser gravado escondido e mostrado em convenções de quadrinhos. Os donos do cinema relataram que muitas pessoas pagavam ingresso apenas para ver o trailer e iam embora logo após.

O filme, com tamanho sucesso, acabou sendo lançado no aniversário de 50 anos do personagem.

Para a sequência, o diretor Tim Burton trouxe a dupla de vilões Pinguim e Mulher-Gato, tornando a tática de dois vilões por filme uma medida até para as sequências.

Danny DeVito passava duas horas na maquiagem para o Pinguim, sendo que o segredo da produção era tão grande que o mesmo nem podia descrever o personagem a sua família. Tentando diferenciar o personagem dos quadrinhos, o maquiador criou um visual mais “aviário”, encorpado e sindáctilo (dedos unidos por membrana de pele). Tal visual acabou influenciando os desenhistas dos quadrinhos desde então.

Por pouco, Annette Bening perdeu o posto de Mulher-Gato para Michelle Pfeiffer, estando grávida na época do casting. Pfeiffer relatou que o uniforme era tão apertado que ela só poderia usá-lo durante curtos períodos antes de perder o ar e desmaiar. Ela também sofreu um pequeno acidente no seu treinamento para aprender a usar o chicote, cortando acidentalmente o rosto de seu treinador com ele.

A cena de Natal é uma interpretação simbólica muito forte dos personagens: Em um baile de máscaras, todos os convidados estão mascarados, exceto Bruce Wayne e Selina Kyle. Isso implica em dizer que suas verdadeiras personalidade são Batman e Mulher-Gato, respectivamente, sendo suas vidas civis um disfarce para a sociedade.

E com Batman Eternamente (1995), a direção do personagem é mudada com Tim Burton mantendo apenas o posto de produtor e Joel Schumacher assumindo o papel de diretor. Michael Keaton não aceitou retornar, após ler o roteiro da sequência; o Charada seria o único inimigo, mas quando Schumacher assumiu ele incluiu Duas-Caras na trama. Enquanto fazia pesquisa de personagem para A Sombra e a Escuridão (1996), dentro de uma caverna repleta de morcegos, Val Kilmer descobriu que seria o novo Batman.

Após Robin Williams recusar o papel de Charada, Jim Carrey assumiu o personagem, entrando de cabeça. Enquanto aprendia a rodar da icônica bengala, ele quebrou alguns móveis de seu trailer e uma dúzia de bengalas.

No filme de 1989, Harvey Dent era interpretado por Billy Dee Williams (que à época só aceitou o papel por saber que ele se tornaria o vilão Duas-Caras) foi substituído por Tommy Lee Jones, após a Warner comprar o contrato do ator original por um valor não revelado. Jones passava até 4 horas no camarim para completar a maquiagem do personagem.

A “mocinha” deste filme é a Dr. Chase Meridian, de Nicole Kidman, um personagem completamente novo no universo Batman, não saindo dos quadrinhos, sendo criada pelos roteiristas.

Com um recepção talvez morna, Schumacher jogou tudo para o alto e fez o filme mais carnavalesco da franquia original. Batman & Robin (1997) é cheia de cores e absurdos e foi amplamente criticado pelos fãs.

Val Kilmer foi chamado pelos produtores para reprisar seu papel, mas deixou de lado para a gravação de O Santo (1997). Joel Schumacher percebeu que George Clooney seria um ótimo Batman após desenhar o capuz do herói sobre o poster de Um Drink no Inferno (1996).

Arnold Schwarzenegger e Uma Thurman foram os primeiros escolhidos para o papel, mas Nicole Kidman e Sylvester Stallone foram considerados caso eles não aceitassem. Muitas das cenas de Alicia Silverstone como a Batgirl foram cortadas, pois a atriz ganhou peso durante as gravações e os figurinistas tiveram que ajustar completamente o seu uniforme justo.

Assim, dado o enorme fracasso do último filme, Batman ficou quase 10 anos longe das telas, até o retorno triunfal em Batman Begins (2005).

Semana que vêm no cine nerd, vamos falar da excitante saga de Christopher Nolan com o Cavaleiro das Trevas! Até lá!

Igor Appolinario
Igor Appolinario

Nerd inveterado, ainda procura a Pergunta para a Vida, o Universo e Tudo Mais. Escreve sobre Cinema Nerd, pra divertir e informar o pessoal interessando em sempre quer saber um pouco mais.

Veja todos os posts de Igor Appolinario
Comentários