Salada de Cinema

Notícias, entrevistas, perfis e muito mais de tudo que acontece no mundo do cinema.

Salada de Cinema
Especiais

Especial On The Road – Como Jack Kerouac influenciou a geração beat

por Cassia Alves comentários

Jack Kerouac fez um livro emblemático. On the Road traz esta atmosfera livre do universo de Sal, Dean e todos os jovens presentes nesta aventura que atravessa os Estados Unidos dos anos 50 e que influenciou todos os movimentos surgidos nas décadas seguintes. A partir do escritor, o termo “beat” espalhou-se pelo mundo como significado para esta geração que contesta os modelos estabelecidos e deseja conhecer o novo.

Sal Paradise é o próprio Jack Kerouac, e Dean Moriarty, seu amigo Neal Cassady. Outras personagens famosas e importantes da época também apareceram no livro, como William S. Burroughs, Joan Vollmer, Allen Ginsberg, artistas que traduziram em suas obras um estado de espírito que faz parte do universo jovem do mundo todo e nos tornou questionadores, interessados pelos assuntos do mundo e com desejo de mudar o que está errado.

Com o movimento beat, os jovens conseguiram se desvencilhar das ideias pré-estabelecidas por seus pais, os empregos e empresas herdados, puderam conhecer mais sobre a arte – e criar os movimentos de contra-cultura dos anos 60 que foram importantíssimos para a construção das sociedades e do pensamento contemporâneo.

O bacana destas influências é observar as tendências também no cinema: obras como Na Natureza Selvagem (2006), Trainspotting (1996), Clube da Luta (1999), entre outros. A versão para as telonas da obra de Kerouac, vinda das mãos de Walter Salles, que já produziu Diários de Motocicleta (2004) pode ser uma retomada interessante do universo beat para os cinemas, com a celebração de sua clássica obra precursora.

Cassia Alves
Cassia Alves

Pessoa nerd e jornalista chiliquenta. Dê um dramão ou um belo suspense e a veja feliz.

Veja todos os posts de Cassia Alves
Comentários
  • http://www.facebook.com/alzimar Alzimar Ramalho

    Não sei se foi o cansaço pela espera de mais de 1 hora para assistir o filme na estreia no Festival Internacional de Cinema de Brasília, mas achei o filme longo demais. Não desmerecendo a importância da obra para a compreensão daquela geração, mas senti que um curta-metragem daria conta do recado.