Salada de Cinema

Notícias, entrevistas, perfis e muito mais de tudo que acontece no mundo do cinema.

Salada de Cinema
Notícias

Oscar 2012 – Por que a Arvore da Vida não vai levar melhor filme?

por Maira Giosa comentários

Definir A Árvore da Vida é bastante fácil: ou se ama ou se odeia. Não há meios termos. Não há como dizer que se gostou “mais ou menos”. Visceral, profundo e de um tema bastante complicado – ainda que com uma proposta simples –, o último filme de Terrence Malick dividiu opiniões mundo afora, e não só do público. Alguns críticos acusaram o diretor de tratar do tema de maneira juvenil, opinião que comparte grande parcela das pessoas.

Não julgo e nem condeno quem não tenha gostado. Ainda assim, como disse, algumas das pessoas mais inteligentes que conheço e que mais levo em consideração quando se trata de cinema não gostaram. Admito que esse tipo de filme é essencialmente sensorial e que inclui não só repertório prévio emocional para apreciá-lo, como também uma dose de insanidade para embarcar na loucura de Malick, e ainda maior para tentar compreendê-lo. O longa é, afinal, uma simples questão de identificação e encontrar-se nas muitas referências pessoais que o diretor imprime. E não tentar fazê-lo é pura preguiça.

Pessoalmente, considero A Árvore da Vida o melhor filme do ano passado – Melancolia também é excelente, mas o primeiro me tocou muito mais profundamente. Justamente porque esta era a intenção. E é exatamente por isso que o longa não será o grande vencedor do Oscar 2012. Duvido muito que a parcial Academia escolha como melhor filme um que a maioria não entendeu (ou não fez questão de entender) e, pior ainda, um filme que trata de temas intrínsecos à existência humana. Sabemos todos que este não é o tema preferido dos juízes velhotes.

É lamentável, obviamente, que uma obra-prima como esta seja excluída da lista logo de cara por sua iconoclastia sem alardes. Não vale dizer que é um apanhado de imagens da National Geographics. Essa é a comparação mais despropositada que há. Conhecendo sua filmografia, Mallick não colocaria imagens aleatórias em uma sequência a bel prazer: as coisas têm seus propósitos.

E, mais uma vez, é justamente por isso que Mallick e seu longa mais impressionante ficarão de fora do rol dos “queridinhos”. Hollywood não costuma premiar aquilo que ela não entende ou não consegue comercializar.

Studio na Colab55
Maira Giosa
Maira Giosa

A paixão pelo Cinema começou (e continua até hoje) com a Disney. Amor eterno por Emma Watson e James McAvoy. Fez curso de crítica cinematográfica e acha que isso dá moral para falar bem ou mal de qualquer filme.

Veja todos os posts de Maira Giosa
Comentários
Follow my blog with Bloglovin